Category

Uncategorized

How to make HDRI for IBL in a budget

By | Uncategorized | No Comments

Um dos meus maiores desafios iniciais era conseguir produzir meus próprios HDRs de forma barata e prática. Fazer várias exposições com uma grande angular em diversas posições é um trabalho demorado e tedioso que eu sequer cheguei a cogitar quando comecei a estudar opções baratas.

Na industria de VFX a ferramenta mais profissional no mercado (e talvez a mais usada por grandes estúdios) é a Spheron Cam. (https://www.spheron.com/products.html) Entretanto para quase todos os profissionais e pequenos e médios estúdios esse equipamento é muito caro, custando cerca de 50 mil dólares.
Bem, ele obviamente tem suas vantagens, entre elas:

21 stops de exposição EV
resolução máxima de 17000px de largura
processo automático de criação e export de arquivos HDR ou EXR.

Nunca vi, nem mesmo em pacotes comerciais de HDR, imagens com tanta qualidade e depth de informação de luz quanto nas imagens obtidas com a Spheron.

Ok, agora vamos voltar pra realidade.

No mercado existem várias opções de câmeras 360. Minha missão então era encontrar uma que pudesse fazer algumas exposições EV e se possível de forma automática e rápida. Foi aí que eu me deparei a Ricoh Theta. Pelo tamanho era difícil acreditar que ela fazia tanta coisa com tanta qualidade. Fiquei surpreso com a rapidez com que eu consegui fazer 5 EVs (menos de 1 minuto) com uma resolução de 5400px

Claro, para reflexos ultra nítidos talvez teríamos um enviroment meio borrado e sem resolução, mas para o propósito apenas de iluminar com o HDR ela mostrou-se mais que perfeita. O mais legal é que a Theta pode ser controlada via tablet ou smartphone e existem inúmeros apps de desenvolvidores third parties para apliações voltadas para a criação de HDR pra Image Base Lighting.

Existem outros equipamentos no mercado, mais ou menos na mesma faixa de preço onde conseguiríamos também fazer o mesmo procedimento porém os Apps deixam o processo mais organizado e mais rápido.

Dentro de uma produção é bem comum que o processo de captura seja corrido. Tanto a direção quanto a equipe de produção geralmente não tem muito tempo nem paciência para esperar longos períodos de tempo de aquisição de dados. Por isso, um data wrangler/supervisor que consiga fazer esse processo com um pouco mais de rapidez com certeza ganha um apreço maior na produção.

A Ricoh Theta custa cerca de 399 dólares e pode ser encontrada em diversos sites de eletrônicos na internet.

Um outro gear legal para pesquisar e testar é a câmera 360 da Kodak pois nele é possível também capturar várias exposições para depois, no photoshop, montarmos nosso arquivo HDR.

Há pouco mais de 1 mês a GoPro anunciou que irá lançar também sua câmera 360. Ainda não há muita informação ou testes específicos para produção de HDR pra IBL então ainda não podemos falar muito sobre ela.

O grande lance é que tanto imagens 360 quanto HDRs não são mais nenhum mistério como eram há alguns anos atrás. Criar seu próprio HDR não é mais tão demorado e tedioso como era quando usávamos chrome balls ou ninja nodes com lentes grande angular pra bater inúmeras fotos pra fazer um único HDR.

 

No meu kit, eu estou usando a Ricoh e por enquanto acho que foi o melhor custo benefício dentro do meu poder aquisitivo. Os resultados são bem legais e estou usando ela no meu projeto como irei mostrar mais pra frente.

Espero que tenha ajudado.

Individual Development Project

By | Uncategorized | No Comments

Já faz um tempo que eu estava pensando em fazer um projeto pessoal mais voltado para o que eu faço no trabalho.
Há quase 4 anos sou Designer de Efeitos Visuais na TV Globo. Participei de diversos projetos no setor de Pesquisa de Desenvolvimento de Efeitos e no setor de Efeitos Visuais.
Acabei desenvolvendo bastante algumas técnicas e habilidades desde que eu me tornei um VFX Artist na Globo. Desenvolvi e participei de diversos projetos de Fotogrametria, voltados para a criação de personagens virtuais, Produção e captura de imagens HDR 360 voltadas para o processo de Image Base Lighting como também produção de nuvens de pontos utilizando Laser Scanner. Além de óbvio os trabalhos tradicionais de escultura digital, modelagem, textura, shading, iluminação, render e composição.

Como tive oportunidade de participar de diversas etapas da produção, sinto-me confiante para executar sozinho a produção de efeitos visuais. Obviamente nem sempre tenho a chance de operar e colaborar como VFX Supervisor e meu objetivo nesse projeto pessoal é produzir e supervisionar todo workflow de uma cena de VFX.
Minha maior dificuldade obviamente seria ter acesso aos equipamentos que eu tenho disponíveis no trabalho. Com isso executei uma minuciosa pesquisa técnica para encontrar alternativas econômicas para criar um kit de VFX para supervisores e artistas autônomos e freelancers.
Esse blog será o meu relatório de produção e espero servir de guia para quem se interessar em produzir uma cena (ou um curta quem sabe) utilizando essas técnicas que eu irei demonstrar e desenvolver durante o projeto.

Então aqui está firmada a pedra fundamental desse projeto de Supervisão de VFX